Casa do Administrator

Ca1 Ca2 Ca3 Ca4

Vila Medieval de Ourém

Ch1 Ch2 Ch3 Ch5 Ch6

video

Casa do Administrador

 FÁTIMA Centenário das Aparições

 13 de maio - 13 Junho

 Museu Municipal de Ourém – Casa do Administrador

 Exposição Temporária: Trabalhos Criativos de Crianças

 Público-alvo: Todos

 Entrada Gratuita

 Museu Municipal de Ourém, de terça a domingo das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

 Contactos: tel: 249 540 900 (ext. 6831), tlm: 919 585 003, e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

CINANTROP Festival Internacional de Cinema Documental e EtnográficoImg W352 POSTER CINANTROP 2017

3 - 11 de junho País em destaque China

Entrada Gratuita

Programa:

7 junho (quarta-feira)
21:00 – Presença do realizador brasileiro Dewis Caldas, com exibição de alguns documentários do autor e uma conversa com o público.
Duração: 90 minutos

8 junho (quinta-feira)
21:00 – Sessão de filmes de competição Nacional - Prémio António Campos.
“Maior fábrica de bíblias do mundo fica na China comunista”, por João Pimenta (texto) e Wei Wang (vídeo), da agência Lusa – 5 minutos
A maior fábrica de bíblias do mundo é chinesa, um país sem relações diplomáticas com a Santa Sé, e onde uma cópia impressa é completa a cada segundo, sob vigilância atenta de operários chineses, alguns convertidos ao catolicismo
“Sampana” de António Faria – 5 minutos
LimMoye tem 75 anos. Transporta passageiros e cargas na sua sampana, no Delta do Rio das Pérolas. Uma pequena história e uma longa vida de trabalho.
“Cavalgar a Onda da Nazaré” de Célia Quico – 15 minutos
Documentário sobre os impactos económicos, sociais e ambientais da notoriedade global da Praia do Norte da Nazaré.
“Uma ginja diferente” de Pedro Alves – 17 minutos
Será que é desta vez que vamos descobrir a receita da famosa ginjinha do castelo de Ourém?
“Procissão do Enterro do Senhor” de Bruno Carnide – 8 minutos
O tempo passa, mas algumas tradições mantêm-se. O Mosteiro de Santa Maria da Vitória é o cenário desta procissão realizada na Vila da Batalha.
“ Terras de quem sou” de Flávio Ferreira – 29 minutos
Encontramos José nas suas tarefas do quotidiano. Conta-nos uma história de antigamente. E depois outra, e outra. Nos braços da grande família que nasceu desta história, por entre campos e estradas, José guia-nos por memórias de celas, terras e fronteiras.
“NatCha” de João Silva – 25 minutos
A Festa de Na Tcha é no décimo oitavo dia do quinto mês lunar. É um ritual cheio de cor e simbolismos que se realiza todos os anos em Macau.

“Promessas à Nossa Senhora dos Remédios” de João Frias, Catarina Santos e Maria Oliveira. Documentário sobre uma longa tradição do concelho de Ourém. Este filme resulta do trabalho desenvolvido pelo Museu Municipal de Ourém, o cinANTROP e a Escola Básica e Secundária de Ourém, para que as gerações mais novas estiem as memórias da sua região.

Duração: 5minutos

“O sapateiro” de Albert Dias, Bruno Veríssimo, Samuel Henriques.

Documentário sobre uma profissão que ainda existe no concelho de Ourém. Este filme resulta do trabalho desenvolvido pelo Museu Municipal de Ourém, o cinANTROP e a Escola Básica e Secundária de Ourém, para que as gerações mais novas estiem as memórias da sua região.

Duração: 5minutos

Duração total: 119 minutos

9 junho (sexta-feira)
15:00 – “Mar de Sines” de Diogo Vilhena.
Este é um projeto de cinema com a comunidade, num documentário que reúne os testemunhos de três gerações de pescadores que conhecem como poucos o mar do sudoeste português: o que o mar oferece e o que o mar reclama; o encanto do mar e a sua dura realidade. O porto de pesca e os seus intervenientes preenchem o núcleo principal de “Mar de Sines”, mas o filme navega para outros territórios: encontra os últimos pescadores-cabaneiros de São Torpes; percorre a costa rochosa com os mariscadores; escuta as memórias dos pescadores do alto; mergulha nas profundezas do oceano.
Duração: 70 minutos

11 junho (domingo)
15:00 - Última Sessão: “Olhar Macau” – série de documentários sobre o Património Material e Imaterial de Macau, produzidos pela Casa de Portugal em Macau.
“Chu Tai Sin” de António Faria.
Anualmente os crentes congregam-se num barco transformado em templo para participar na festividade Da Jiu realizada em honra de Chu Tai Sin, divindade taoísta patrono dos pescadores. Esta tradição faz parte do património intangível de Macau embora, atualmente esteja ameaçada.

Duração: 25 minutos
“Cheng Ming“de João Silva.
São muitos os que se deslocam aos cemitérios de Macau e das ilhas para venerar os seus antepassados e realizar a limpeza dos túmulos. Como se costuma dizer, neste dia o luto é coletivo. Todos os anos, por esta altura, os residentes realizam a limpeza das campas, a veneração dos antepassados e o luto pelos que partiram. Este costume tradicional leva muitos familiares, mesmo aqueles que vivem em partes longínquas, a relembrarem os seus entes queridos.

Duração: 25 minutos
Duração total: 50 minutos

Contactos: Museu Municipal de Ourém, de terça a domingo das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

tel: 249 540 900 (ext. 6831), tlm: 919 585 003, e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Está em... Início Arrow CASA DO ADMINISTRADOR